[2024] 1° LOTE: cadastrados na lista até o dia 17/10 terão desconto de R$1.200
e garantia de reembolso TOTAL no caso de aprovação pelo SISU 2024.1

[2024] 1° LOTE: cadastrados na lista até o dia 17/10 terão desconto de R$1.200 e garantia de reembolso TOTAL no caso de aprovação pelo SISU 2024.1

Lote 3 da AM: você tem até o dia 19/01 para se matricular
com 20% de desconto e parcelar em até 11x sem juros

Lote 3 da AM: você tem até o dia 19/01 para se matricular com 20% de desconto e parcelar em até 11x sem juros

[2024] Black Friday da AM: vagas abertas até o dia 8/12 com 25% de desconto
e garantia de reembolso TOTAL no caso de aprovação pelo SISU 2024.1

[2024] Black Friday da AM: vagas abertas até o dia 8/12 com 25% de desconto e garantia de reembolso TOTAL no caso de aprovação pelo SISU 2024.1

amblog-white

Conheça 8 técnicas de estudo e memorização que vão te ajudar nos estudos para o vestibular

As técnicas de memorização são exercícios que estimulam a atenção e a concentração e ajudam nosso cérebro a compreender a relevância de determinada informação. Eles são especialmente indicados para quem está estudando para provas importantes como Enem e vestibulares.

Para te ajudar a entender como funcionam as técnicas de estudo e memorização e o que são, trouxemos este conteúdo.

A memorização é parte fundamental na preparação para o vestibular. | Foto: Freepik.

Como funciona a memória

A memória é a capacidade de armazenar informações para que possam ser recuperadas quando tentamos lembrá-las. Ela é processada a partir dos neurônios que formam conexões, por pontos conhecidos como sinapses.

Quando captamos as informações por meio de nossos órgãos visuais, elas são encaminhadas para diferentes partes do córtex visual. Já o frontal recebe informações operacionais de curto prazo, que são encaminhadas para o hipocampo, que é responsável pelo armazenamento a longo prazo dos fatores emocionais associados a essas informações para que possam ser reativados quando necessário.

Os fatores emocionais que contribuem para o processo de memória são formados por conexões neurais localizadas na amígdala, permitindo uma ação rápida. Já no cerebelo e nos gânglios da base, são lembradas habilidades e hábitos inconscientes, como, por exemplo, andar de bicicleta. Logo, podemos estabelecer determinadas técnicas de memorização.

Memorizar x Decorar

Aprender informações tem mais a ver com memorização do que com memória. Quando você se lembra de algo, está ensinando seu cérebro a entender a relevância daquela informação por meio de técnicas que envolvem significado.

Mas, quando você memoriza algo, está usando a reprodução automática sem sentido. Ou seja, lembrar de algo é esquecê-lo quando não precisar mais se lembrar.

Curva de esquecimento

De acordo com um estudo da Universidade de Berkeley, lemos ou ouvimos mais de 100.000 palavras por dia. Isso é o equivalente a uma Bíblia por semana! Você pode imaginar se nossos cérebros retivessem todas essas informações? Com certeza, ele estava prestes a desmaiar em breve.

Como resultado, nosso organismo desenvolveu uma maneira de esquecer as informações não utilizadas ao longo do tempo.

Um dos pesquisadores mais dedicados a esse procedimento foi o alemão Hermann Ebbinghaus. Ele também é o homem que cunhou o termo curva de esquecimento em 1885 para descrever o processo de apagar memórias.

Ele descobriu que as memórias usadas com mais frequência são a prioridade do cérebro, enquanto as menos usadas são gradualmente apagadas. Além disso, suas pesquisas mostram que esquecemos aproximadamente 70% do que aprendemos em uma semana.

Etapas da aprendizagem

A pesquisa mostra que existem três fases de aprendizagem: aquisição, retenção e aplicação. A fase de aquisição ocorre quando somos confrontados com novas informações. Por exemplo, quando os alunos estão ouvindo na aula.

Nessa fase, ele é exposto a algo que ainda não conhece, mas através do contato do professor e das associações feitas em seu cérebro, ocorre a lembrança.

Durante a fase de retenção, o aluno construirá sua própria compreensão daquela lição, lembrando-se de coisas semelhantes que já sabia e tentando lembrar se já experimentou algo semelhante. Após esta etapa, temos a aplicação, onde o aluno coloca em prática os conhecimentos que adquiriu e reteve, seja na prática ou na vida real.

Esta é uma etapa importante no processo, pois podemos marcar as informações como algo de valor dentro do aplicativo.

Como saber qual tipo de técnica é melhor para mim?

A resposta é: você precisa descobrir qual (ou uma combinação delas) é melhor para você. Idealmente, você deve pesquisar cada um e tentar decidir qual deles tem a finalidade que você está procurando e qual é o mais adequado para o seu dia de trabalho e rotina.

Áreas de interesse

Uma pista é analisar sua área de interesse. Por exemplo, se você gosta da área de humanas, pode achar mais fácil usar técnicas mnemônicas usando recursos como palavras-chave, músicas, ilustrações, textos e associações a conteúdos literários.

Se você preferir as ciências exatas, um foco em experimentação, lógica, números e gráficos pode ser mais apropriado.

Método Kumon

O processo de como aprender usando técnicas de memória varia de pessoa para pessoa. Algumas pessoas aprendem mais visualmente, outras auditivas ou cinestésicas. Portanto, é importante descobrir qual é o melhor para você.

Na abordagem Kumon, essas diferenças são abordadas desde o primeiro dia, pois o processo de aprendizagem é planejado e personalizado. Isso reforça o potencial de cada indivíduo aprender de acordo com suas próprias características.

8 melhores técnicas de memorização

Confira quais são:

1. Faça um resumo e esboço

Uma das técnicas de memória e aprendizado mais comuns é o uso de resumos, mapas mentais e esquemas. Nesta técnica, depois de ler ou fazer uma aula, você anota os temas mais importantes, palavras-chave, esquemas conceituais e suas próprias considerações.

Essa técnica ajuda a sistematizar o conteúdo e a exercitar a mente, pois desencadeia a fase de aplicação do aprendizado.

2. Relacione o novo conhecimento com o que você já sabe

Uma parte importante do processo de aprendizagem é relacionar o conteúdo desconhecido com o que você já conhece. Isso funciona na medida em que novas informações relacionadas a informações antigas são inseridas no domínio cognitivo. Um bom exemplo é aprender um novo idioma.

Você já conhece a palavra “mother” em português, então quando você aprende inglês, associa automaticamente a palavra “mother” com “mother”.

3. Reflita sobre o que você aprendeu

Essa é uma técnica semelhante ao resumo, mas que utiliza perguntas para estimular os alunos a pensar sobre o que foi exposto, principalmente se for um texto.

Depois de ler um livro, é bom fazer as seguintes perguntas: Quem é o autor? Quando este livro foi escrito? Qual é o ponto desta história? Com quem o autor está tentando falar?

A realização desse tipo de questionamento permitirá que você reflita conscientemente sobre o texto lido e aumente sua postura crítica sobre ele.

4. Coloque em prática o que aprendeu

Como já dissemos, a fase de aplicação é onde o conteúdo é melhor absorvido, por isso procure sempre praticar o que aprendeu. Por exemplo, faça simulações, resolva listas de prática, participe de questionários, encontre problemas de lógica e jogue palavras cruzadas ou Sudoku.

5. Faça associações visuais e interessantes

Memorizar memes é muito mais fácil do que lembrar os detalhes de eventos históricos. Você sabe por quê? Porque seu cérebro vinculou a aquisição de informações com a retenção delas usando emoções.

Por isso, transformar o conteúdo em algo divertido é uma forma de lembrar e entreter. Vale vincular conteúdos com situações engraçadas do dia a dia, jogos de palavras e trocadilhos, ícones, cenas de séries e filmes, desenhos e outras estratégias.

6. Ensine aos outros o que você aprende

Quando você ensina algo a alguém, você está colocando em prática a fase de aplicação do aprendizado.

Uma teoria é que quando precisamos explicar algo para alguém, ficamos com 90% disso. Portanto, é um ótimo truque de memória. Então, quando você aprender algo, tente explicá-lo para a família, amigos ou para você mesmo (gravando-o).

7. Transforme tudo em música

A música é uma maneira interessante de lembrar informações porque as melodias tendem a permanecer no cérebro por mais tempo. Portanto, tente traduzir o conhecimento em som. Pode ser uma fórmula, uma série de palavras-chave ou uma história. O importante é se controlar.

8. Use mnemônicos

Mnemônicos são ferramentas associativas, estratégias simples usadas no dia a dia para ajudar a memorizar conteúdos. Os exemplos mais comuns são siglas e acrônimos, mas você também pode usar ícones, imagens ou texto.

A ideia é associar o conteúdo a algo que seja fácil de lembrar e acessível para você no seu dia a dia.

Agora que você já sabe algumas técnicas de memorização, o que fazer para ter uma excelente nota e garantir sua vaga de primeira? O AMentoria é um verdadeiro “ecossistema” de individualização de estudos. A AM não é um cursinho – ela é tudo o que falta nele. Como os sócios-fundadores já foram vestibulandos de medicina, toda a estrutura disponibilizada para os AMers é pensada para entregar exatamente o que o AMer precisa.

Saiba mais sobre técnicas de memorização em nosso site!

Gostou do conteúdo?🤔

Então compartilhe com seus amigos.

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

📄 Últimas notícias

📚 Informativos

Gostou do conteúdo?🤔

Então compartilhe com seus amigos.

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Outros artigos que podem te interessar

cropped-Icone-fundobranco.png

Publicado por Amentoria
29/09/2023

cropped-Icone-fundobranco.png

Publicado por Amentoria
28/09/2023

amblog

O melhor lugar para você encontrar conteúdos GRATUITOS que vão te ajudar no Enem.

Nossos produtos

Fale com nosso comercial

contato@amentoriaenem.com.br

Seg a Sex das 08:00 às 18h

Todos os Direitos Reservados 2021 | Amentoria Enem